Donde Ivan e a cozinha afropanamenha

Por Bárbara Fonseca

Das barraquinhas de rua aos mercados, não há forma melhor de se conhecer a cozinha de um lugar do que explorar seus endereços mais populares. Quando viajo, me sinto como um detetive atrás de pistas que me conduzam aos aromas e sabores mais apreciados pelos locais. Pergunto daqui, pesquiso de lá e, quando percebo, me encontro em endereços como o Donde Ivan, um dos restaurantes da Vereda Afroantillana do bairro Rio Abajo, Cidade do Panamá.

Construído em 2010, o espaço foi cedido pela prefeitura aos moradores com objetivo de preservar os costumes da comunidade afropanamenha da capital. Em contraste à região central da cidade, Rio Abajo tem casas mais simples, que se assemelham às construções em madeira que temos visto aqui pelas bandas do Caribe.

Quem nos convidou para a visita foi o amigo Isaac Villaverde, que conhecemos pela internet um mês antes de saírmos do Brasil. Na época, estava pesquisando sobre a cozinha panamenha e me deparei com um artigo do New York Times. Um dos projetos locais sobre os quais o jornalista escrevia era o La tapa del Coco, citado como um movimento de resgate e preservação da comida afropanamenha. À frente da iniciativa está Isaac, com quem conversei assim que soube de seu trabalho. Trocamos contatos e nos encontramos no segundo dia de Panamá. Entre as pessoas que cruzaram nosso caminho até agora, certamente esta é uma das que ficará marcada para sempre na memória.

Com este novo amigo, pudemos acompanhar as gravações do programa Soy Rachel, soy foodie na vereda Afroantillana. Enquanto esperávamos a chegada da produção, conversamos com o grande artista do lugar: Iván Gomez Rodriguez. Com uma vida dedicada à culinária, Iván nos conta, com naturalidade, que a cozinha é algo que “le cuerre pelo cuerpo”. Este amor é expresso nos pratos caprichados que prepara diariamente no restaurante. São cozidos fartos e bem temperados, carnes suculentas e mariscos frescos, sempre envolvidos pelo o inconfundível aroma de curry, pimenta e leite de coco.

Além da comida, Iván prepara poções de mágicos poderes. A mais famosa é o Icenglass, cujas propriedades afrodisíacas são conhecidas por todo panamenho que se preze. Preparada com algas, gengibre, dentre outros ingredientes não revelados, a bebida é vendida em garrafas disputadas pelos locais. Outra receita popular é o chá de hibisco com gengibre, também chamado por aqui de chá de flor do caribe.

O almoço se transformou em uma grande festa. Mesa farta, sorrisos, conversa boa. Novos e velhos amigos reunidos pela paixão pela cozinha. E se este é o seu caso, não perca a oportunidade de incluir este lugar pitoresco e acolhedor em seu roteiro.

Informações úteis:

  • Para chegar à vereda Afroantilhana, tome um taxi em direção à Via Espanha e diga que quer ir à Rio Abajo, entre as Calles 12 e 13. Não tem erro!

IMG_5896

IMG_5913

IMG_5899

IMG_5918

IMG_5930

IMG_5934

IMG_5937

IMG_5938

IMG_5924

IMG_5928

Se interessou pelo Panamá? Veja o que mais já publicamos sobre lá:

Estoy en Panama, mi amor

Os primeiros patacones a gente não se esquece

Um almoço no bairro Chino

Bienvenido al passado

A ilha do amor

A duquesa do arroz de coco

Caballito con leche em um bar azul

50 tons de verde e azul

Teve dendê na panela caribenha

Trabalho voluntário: a gente fez e conta como foi

6 comentários em “Donde Ivan e a cozinha afropanamenha

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s